Aldo Pereira

Não é possível mudar a vida.

Por Aldo Pereira há 3 meses

“A fatalidade existe unicamente pela escolha que o Espírito fez, ao encarnar, desta ou daquela prova para sofrer”. (Espírito da verdade)

Olhe bem o que está escrito aí e deveria servir como orientação aos espíritas. O que você chama de fatalidade nada mais é do que aquilo que o espirito escolheu para si antes da encarnação. Vamos dizer assim: se você esquecer seu carro aberto e alguém o roubar, não é uma fatalidade, é algo que você escolheu antes da encarnação. Você está em casa dormindo e uma bala fura a parede e lhe encontra deitado na cama. Isso não é uma fatalidade, mas sim algo que você escolheu acontecer antes da encarnação.

“Escolhendo-a, institui para si uma espécie de destino, que é a consequência mesma da posição em que vem a achar-se colocado”.

Portanto, quando você, o espírito, planeja a sua vida, cria um destino, uma história de vida. Essa história está totalmente de acordo com a sua posição no mundo espiritual. Ou seja, ela representa uma tendência que é preciso ser vencida. Por causa dessa necessidade é que o espírito, antes de encarnar, escolhe determinado acontecimento que amanhã, quando encarnado, ele chamará de fatalidade.

“Falo das provas físicas, pois, pelo que toca às provas morais e às tentações, o Espírito, conservando o livre-arbítrio quanto ao bem e ao mal, é sempre senhor de ceder ou de resistir”.

Falo das provas físicas, dos atos. Isso quer dizer que os atos de uma vida foram escritos pelo espírito antes da encarnação. Tal informação deve nos levar a compreender que depois de encarnado o ser não é senhor das ações que vivencia. Ele foi senhor delas antes da encarnação. Depois de encarnado você, o espírito, é senhor do sentimento com o qual vivencia os acontecimentos. É senhor do bem e do mal. É muito clara essa resposta. Sei que até agora vocês vêm dizendo que o que afirmo é apenas uma interpretação minha. Mas, observem bem essa resposta. Não há interpretação alguma possível que distorça o que está escrito: ‘Falo das provas físicas, quanto à moral e a tentação o espirito, ele é senhor de bem e do mal’.

Espiritualismo ecumênico universal