Aldo Pereira

Ninguém deve nada.

Por Aldo Pereira há 2 meses

Expiar, segundo os espíritas, é pagar débitos anteriores. Esta, vamos dizer assim, é a definição que os seres humanizados conhecem. Mas, como já disse, o universo está equilibrado. Sendo assim, ninguém deve nada a ninguém. Se houvesse dívidas, o Universo estaria desequilibrado.  

A partir deste conhecimento, podemos, então, ver a expiação de um modo diferente. Eu diria que a expiação é o carma. Expiar, pagar pelo seu erro anterior, como se diz, é vivenciar o carma daquilo que se fez anteriormente.

Diferente do que se pensa no meio religioso humano, expiação não é o que se deve a outro espírito, mas sim ao Universo. O espírito gera um carma e precisa vivenciar uma situação carmática para expurgar-se.

Se o cumprimento do carma, ou seja, a vivência da expiação, é lei universal, posso, então, dizer que se o seu marido que lhe abandona, não é ele que está fazendo isso, mas você está vivendo a sua expiação, que é, também, uma prova. Ele está cumprindo a sua missão e você vivenciando, através da expiação, a sua prova, pois precisava ser realizado.

É para isso que você nasceu. Você nasceu para fazer provas através de expiações e para cumprir missões. Mais nada do que isso.

Agora, tudo isso só será posto em prática na sua existência na hora que retirar do acontecimento a história que atribui a ele. É preciso acabar com a ideia de um agente do seu sofrimento e com a compreensão do que está acontecendo.

Na hora que conseguir desmaterializar o acontecimento, ou seja, retirar a história, e o espiritualizar, ou seja, entender a prova, a missão e a expiação, você não vai mais sofrer. Só assim, conseguirá aproveitar a oportunidade da encarnação para cumprir o que você tem que fazer. Mas, enquanto ficar preso na história, a vivenciará como se fosse realidade.

Espiritualismo ecumênico universal