Aldo Pereira

O ato é nada.

Por Aldo Pereira há 2 semanas

É possível a pessoa estar agressiva, com ódio, gritando sem estar sofrendo?

Pode. O ato é o ato, a emoção interna é outra coisa. Você pode estar gritando, falando e estar bem ...

Se você tem a missão, e todos tem, de agir frente ao outro para contribuir para obra geral e se o outro precisa ouvir um grito, você tem que gritar. Agora, enquanto grita, não precisa estar sofrendo.

É aquilo que sempre digo: o ato é totalmente escrito por Deus de acordo com a necessidade daquele que vai receber sua ação. Então, o ato precisa acontecer e não há nada de errado nele. O que você precisa promover é a reforma íntima, a mudança do seu íntimo e quando na mudança do seu íntimo está em paz e harmonia com o mundo, mesmo que a boca esteja gritando, fez o que precisava fazer.

Com relação ao que me perguntou, Cristo é muito claro: Deus julga a intenção de cada um. Então, é o que você quer fazer, a intenção que conta. O grito é um ato. Agora quando você assume a culpa por ter gritado, demonstrou uma intenção

Espiritualismo ecumênico universal

O amigo espiritual usou um exemplo devido a pergunta, mas é válido para todos os atos. Eles são programados na "escolha das provas". Usando um exemplo mais drástico: Pode não sofrer e não ter uma responsabilidade espiritual mesmo atropelando 30 pessoas? Pode. O ato de atropelar acontecerá, pois foi programado antes. O que contará é a intenção. O sentimento nutrido com o ato. Ato é missão, mas nossa razão "mal educada" considera missionário, apenas quem contribui para o bom humano. Ele contribuiu para a obra geral, dando a cada um segundo as suas obras. O merecimento.