Aldo Pereira

"Perdoa eles não sabem o que fazem”

Por Aldo Pereira há 1 semana

Este pedido de Jesus ainda está ecoando pelo planeta, pois quanto mais passa o tempo, mais os seres humanos não sabem o que fazem. Cada vez mais se prendem a atos materiais, não buscando a essência espiritual. A caridade ficou restrita a dar o peixe e não a vara para aprender a pescar. Todos contribuem financeiramente para as campanhas de auxílio ao próximo, mas fogem do contato direto para preservar o seu tempo. Aqueles que se entregam à prática de atos caridosos ficam atentos apenas às necessidades materiais, mas não se envolvem sentimentalmente para não sofrer depois. As orações continuam compridas e pomposas. Belas palavras são escolhidas, lindos discursos são escritos, mas a verdadeira intenção da oração é escondida. Enquanto as palavras saem, os sentimentos se preocupam com a aprovação do discurso. O amor virou um comércio: “dê-me o que eu quero para que eu lhe ame”. Ninguém consegue amar aquele que não é capaz de “pagar os juros” do que é dado. Exigem posturas, conceitos assemelhados e subordinação para que o amor exista. A fiel subordinação ao Pai foi trocada pela necessidade de comprovações materiais para que a vida fosse compreendida e pela preocupação com o dia de amanhã. Deus foi trancafiado em espaços exíguos onde os seres humanos só recorrem quando a sua materialidade não consegue resolver algum problema.

Todos os compromissos religiosos foram transformados em obrigações que devem ser cumpridas pelo temor do castigo futuro. Os animais domésticos são transformados em fictícios seres humanos para serem amados incondicionalmente. Os pássaros são aprisionados em gaiolas para estarem à disposição. As flores são arrancadas para que possam ser possuídas. Todos acham que a natureza é colocada à disposição do ser humano para satisfazê-lo e não para ser amada. Estes são os derrotados na batalha da vida. Perderam para a carne na batalha da fé e do amor. Valorizaram o seu “querer” e sua “ciência” mais do que ao Pai.

Gregório.

Espiritualismo ecumênico universal