Aldo Pereira

‘Pois vá e faça a mesma coisa'

Por Aldo Pereira há 2 semanas

Quem pode ajudar o ser humanizado na busca da elevação espiritual, da formação da consciência crística, não é um guru, um mentor ou o próprio Cristo. De nada adianta para o ser humanizado que quer alcançar a consciência crística freqüentar os cultos para pedir a Cristo que o afaste do seu inimigo, que o livre da perseguição daqueles que não gosta, pois o seu messias, o seu mestre, é o seu inimigo.

Somente o inimigo do ser humanizado pode ajudá-lo realmente a vencer. O amigo do ser, aquele só sabe concordar com tudo que o ser fala e que só sabe passar a mão na cabeça, no sentido da elevação espiritual não vale nada. Não serve de nada para aquele que busca obter a consciência crística. Na verdade o amigo só serve para inflamar o ego do ser humanizado, ou seja, atrasá-lo na corrida pela elevação espiritual.

Somente o seu inimigo pode lhe fazer alcançar a bem aventurança, ou seja, a felicidade incondicional. Já repararam que quando Cristo fala da bem aventurança diz: “Bem aventurado são vocês quando os insultam, perseguem e dizem todo tipo de calúnia contra vocês por serem meus seguidores”. Quem é que lhe calunia, insulta e persegue: o seu amigo ou inimigo?

Apesar de o mestre ser tão explícito, os seres humanizados ainda vão para os templos pedir a Cristo e aos santos ou mentores para afastar o inimigo de suas caminhadas. Isso não é hipocrisia? Pior: quem faz isso ainda diz que usa de amor com o inimigo, pois pede a Cristo que apenas o afaste sem fazer mal a ele.

Falei que era hipocrisia porque o ser humanizado que se diz cristão, que busca alcançar a consciência crística através dos ensinamentos de Cristo, não deveria afirmar que possui inimigos. Se realmente tivesse lido os ensinamentos do mestre com certeza teria a consciência de que só tem amigos.

*O ensinamento está na parábola do bom samaritano.

Espiritualismo ecumênico universal