Aldo Pereira

A influência dos espíritos.

Por Aldo Pereira há 1 dia

Participante: o senhor falou que existem diversos espíritos aqui agora?

*Sim, os espíritos estão por toda parte e vocês estão sempre em contato com eles, apesar de não terem percepção disso. Leia o capítulo IX do Segundo Livro de O Livro dos Espíritos e verá como eles intervêm no mundo corporal. Garanto-lhe que acabará esta leitura impressionada com quanta coisa você acha que faz por vontade própria, mas que na verdade é apenas o resultado da indução de um ser desencarnado.

Os espíritos, segundo o Espírito da Verdade, estão sempre se relacionando com os encarnados para dirigi-los, seja induzindo-os a fazer o que precisa acontecer (pergunta 525a), dando a eles os pensamentos (pergunta 459) ou ainda realizando diversas ações. Mas, como ensina Kardec, os seres humanizados não conseguem perceber a interferência e a presença desses seres:

“Imaginamos erradamente que aos Espíritos só caiba manifestar sua ação por fenômenos extraordinários. Quiséramos que nos viessem auxiliar por meio de milagres e os figuramos sempre armados de uma varinha mágica. Por não ser assim é que oculta nos parece a intervenção que têm nas coisas deste mundo e muito natural o que se executa com o concurso deles”. (Pergunta 525a)

Então, vocês nunca estão sozinhos. Na verdade nunca estão isolados de outros espíritos. Na verdade, se isolam do mundo espiritual. Que lugar usam para se isolar do mundo espiritual? A razão humana.

Apenas quando a razão diz que há a presença de algo espiritual naquele momento vocês conseguem conviver com este mundo. Quando ela não fala nada, imaginam que o mundo espiritual não está presente. Aí vivem sob a tutela do sistema humano de vida. Portanto, é preciso abandonar o refúgio da razão humana para poder comungar com o mundo espiritual. Mais uma vez provamos o que estamos dizendo: vocês não conseguem comungar com Deus porque estão vivendo em comunhão com a razão humana. Como esta comunhão não pode deixar de existir, o trabalho da reforma íntima se consiste em mudar os valores desta razão para que ela seja executada com o mundo espiritual e não com os anseios materiais. Realizando esta mudança, mesmo não vendo os espíritos ao seu lado, você pode saber que eles estão aí e por isso nunca está só. Se isso é real, você não precisa mais viver a solidão que a razão cria quando não há a percepção de ninguém perto de você.

*Joaquim de Aruanda.

Aldo Pereira

Vamos falar em suicídio?

Por Aldo Pereira há 3 dias

O que é suicídio?

Evidente que suicídio é acabar com a vida. Deixar de viver. 

A visão espiritual do suicídio vai muito além de acabar com o corpo físico. Passa pela forma como vivenciou o ato e o que levou dele, mas vai além e talvez, você seja um suicida. A vida, segundo todos os mestres é uma sucessão de "presentes". É um momento presente sucedendo o outro e mais nada. A vida deve ser vivida no presente, pelo presente e com o presente. Isso é vida. O restante são formações mentais. Quem está preso nas angústias e êxtases do passado ou preocupado com o futuro, não está vivendo o presente. Se a vida é somente o presente, quem está no passado ou futuro, não está vivendo e quem não vive, está morto. Quem voluntariamente se prende ao passado ou futuro, deixa de viver o presente e igualmente é um suicida. Tem corpo, mas não tem vida. Quando deixar a carne se cobrará mais ou menos nesses termos "O que fiz com a minha vida? Passei pela terra e simplesmente não vivi"

Aldo Pereira

Caridade

Por Aldo Pereira há 4 dias

Qual a mais meritória de todas as virtudes? Livro dos espíritos.

Toda virtude tem seu mérito próprio, porque todas indicam progresso na senda do bem. Há virtudes sempre que há resistência voluntária ao arrastamento dos maus pendores. A sublimidade da virtude, porém, está no sacrifício do interesse pessoal, pelo bem do próximo, sem pensamento oculto. A mais meritória é a que assenta na mais desinteressada caridade.

*Virtudes existem muitas, mas qualquer uma delas só se torna sublime quando praticada sem individualismo, sem que o espírito se sujeite às verdades do ego.

Qualquer ato será virtuoso quando o espírito pensar (buscar satisfazer) o próximo antes dele mesmo. O virtuosismo de qualquer ato é alcançado quando o espírito o vivencia com a intenção de levar a felicidade ao próximo, mesmo em detrimento de suas vontades e desejos, e permanece feliz e em paz mesmo assim.

Tal motivação é a sublimação das virtudes porque espelha o mandamento máximo que Cristo deixou: amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo. Quem ama mais a si (é individualista), cobra do seu irmão mudanças de atitudes e conceitos. Quem vive com a intenção de servir ao próximo está sempre vigilante para não deixar seus padrões de atitudes e conceitos servirem como códigos para julgar os outros.

Aquele que se preocupa com a sua satisfação individual exige que o próximo respeite suas paixões e desejos enquanto no respeito ao desejo do próximo está a verdadeira caridade. Sendo assim, quem busca vivenciar sublimemente essa encarnação, está sempre preocupado em não deixar seus desejos interferirem no respeito aos do próximo.

Quem sublima as virtudes desta vida não busca nada para si. Assim sendo, aquele que grita ‘Deus esqueceu de mim’ quando algo não acontece como queria, não se lembrou da maior virtude: o amor ao próximo. Se tivesse lembrado, ficaria feliz, pois quando ele não ‘ganha’ (é satisfeito) foi porque Deus ‘se lembrou’ do outro.

*Espiritualismo ecumênico universal

Aldo Pereira

Suicídio

Por Aldo Pereira há 1 semana

Tem o homem o direito de dispor da sua vida? Não; só a Deus assiste esse direito. O suicídio voluntário importa numa transgressão desta lei. ( Livro dos espíritos)

*O homem não tem o direito de dispor da sua vida. Só Deus tem o direito de dispor dela. O que é suicídio? Não é um ato do homem dispondo da sua vida? Se isso não pode acontecer, segundo o Espírito da Verdade, quer dizer que não existe suicídio? Sim, não existe suicídio. Só que vocês ainda acham que há. Vamos entender o que estou dizendo. Se alguém dá um tiro na cabeça, para vocês se matou, cometeu um suicídio. Mas, se aplicarmos o que o Espírito da Verdade falou (só Deus pode dispor da vida), não podemos dizer ele se matou, mas que o Pai dispôs da vida dele. Repare na diferença entre o que estou falando e o que vocês vivem. Acham que o homem se mata, ou seja, dispõe da sua vida como quer, mas para quem crê no Espírito da Verdade isso é uma ilusão! O homem que atirou em si mesmo não dispôs de sua vida, mas Deus fez isso. Sendo assim, o Pai o matou e não ele tirou a sua vida. Não há suicídio; o que há é Deus dispondo da vida de alguns. Aliás, esse mesmo raciocínio vale para o assassinato. O homem, em nenhuma situação, não pode dispor da vida porque só a Deus compete isso. Começa, então aqui a questão do suicídio: ninguém se suicida, Deus é que dispõe da vida dos seres humanizados.

*Espiritualismo ecumênico universal

Aldo Pereira

O mundo espiritual não é melhor.

Por Aldo Pereira há 1 semana

Nem pior. Quem está apegado a coisas deste mundo (a natureza, uma bebida, uma música, etc.) sofre quando chega no mundo espiritual, pois lá não tem nada disso. Por isso, quando há a expectativa de uma vida melhor no outro mundo é porque se coloca nela tudo o que se gosta daqui, principalmente as coisas que não consegue ter aqui.

Já repararam que pessoas querem morrer para poder encontrar a paz? Porque têm esta esperança? Porque não a possuem aqui. Mas, encontra-la lá, neste caso, é impossível. A paz é o resultado do trabalho por ela, não trabalhando aqui, não a encontrará lá.

De nada adianta ter esperanças de encontrar algo melhor no outro mundo. Como já disse, o motor que move a existência eterna, encarnado ou não, é o carma. Por isso, quem ainda não aprendeu a viver o que tem aqui hoje como o melhor para si mesmo, dificilmente encontrará o melhor lá.

Não importa o que seja, se há a projeção de algo para a outra vida, ainda se está preso ao egoísmo, ao individualismo. Deixe-me lhe dizer algo: a outra vida não é melhor nem pior do que essa. Ela é diferente. O atributo melhor ou pior das coisas é você quem determina. Portanto, se chegar lá e achar melhor, será, se achar pior, também será.

Espiritualismo ecumênico universal

Aldo Pereira

Reforma íntima.

Por Aldo Pereira há 1 semana

Participante: então agora eu vou precisar negar tudo o que acredito?

Sim, pois você nasceu para fazer uma coisa chamada reforma. Reformar-se é mudar-se. Se sua mente não tivesse sido construída com as verdades que possui, como iria promover alguma reforma agora? É essa a má criação da mente. Por causa dela, as verdades geradas pela personalidade são criadas para ver as coisas de uma forma humana, levando em consideração apenas o que ela quer, acha certo e bom. Só que viver desse jeito não é algo bom ou santo, mas egoísta.

Espiritualismo ecumênico universal

Aldo Pereira

A reforma íntima

Por Aldo Pereira há 1 semana

 Ela não pode ser feita com atos físicos, pois ela é um processo espiritual. Como ela é espiritual, aplicando-se o que vimos hoje (que o espírito é a inteligência), tenho que dizer que a reforma íntima, é um processo mental. Ela não pode ser alcançada com atos físicos porque é um processo de mudança interior, ou seja, de mudança da sua forma de ver o mundo. A maioria não consegue alcançar a reforma, porque se preocupa com os atos, se preocupa com a visão externa do mundo quando a sua preocupação tem que estar voltada para a visão interna, para aquilo que está sendo criado na sua mente sobre o que Deus está fazendo (as movimentações físicas). É isso que nós precisamos compreender para realizar a reforma íntima, pois enquanto não nos voltarmos para Deus e para nós mesmos (para o espírito que somos) e ficarmos preocupados com matérias, não vamos conseguir nada. Esta é uma coisa que venho falando há cinco anos e não estou sozinho. A maioria dos que ouve e fala de Deus de uma maneira universal, fala disso. Eles falam de revisão mental; falam de rever a forma de ver o mundo. Na hora que os seres humanizados compreenderem isso, vão conseguir realmente promover a reforma íntima. Para colocar em prática esta compreensão, deixe-me falar de mais um detalhe. Tudo está feito; você só está vivendo o que já está feito. Não se preocupe com resultados; não se preocupe com o que vai acontecer amanhã. Cristo diz muito claro: porque que você se preocupa com o que vai acontecer amanhã, se Deus dá a vida aos bichos e as plantas. Se Deus dá o destino de cada um, porque que você vai se preocupar com o amanhã? Não façam isso. Vivam o dia de hoje. Tenham a certeza de que a sua vida já está definida desde o nascimento e se preocupar com o amanhã é a maior prova de falta de fé.

Espiritualismo ecumênico universal

Aldo Pereira

Não há mestres na terra.

Por Aldo Pereira há 2 semanas

Vocês falam muito em estupro, têm medo desse acontecimento, mas quer ato de mais violência contra o próximo do que a ação de que qualquer professor da lei? Ele estupra a vontade e a felicidade dos outros. Esta forma de agir é um ato violento: ‘eu sei o que está certo, cala a boca você’! Os religiosos se preocupam muito em não matar, mas o que o professor da lei faz? Mata o outro. Mata a individualidade do próximo quando quer transformá-lo em cópia de si mesmo. Não aceite outra liderança senão Cristo, pois qualquer outra irá querer lhe transformar conforme o seu próprio desejo e para isso lhe dará responsabilidades que não ajudará a carregar.

Quando não servimos ao próximo só nos resta um caminho a seguir: se servir do próximo, ou seja, se transformar em um professor da lei. Não existem outras opções neste mundo: ou eu sirvo ao próximo ou, simplesmente, me sirvo do próximo para ser feliz.

Servir ao próximo é ir muito além do eu, ou seja, o que se quer fazer. Seguir a liderança de Cristo é fazer pelo próximo independente do que você quer fazer, independente de querer servir, independente de se alcançar a satisfação por ter servido. É fazer o que se está fazendo apenas por fazer: sem tirar nenhum lucro individual da situação.

"Nem vos chameis mestres, porque um só é o vosso Mestre, que é o Cristo. O maior dentre vós será vosso servo"

Espiritualismo ecumênico universal

Aldo Pereira

O hipócrita mente para ele mesmo

Por Aldo Pereira há 2 semanas

Se você amar a todos, não precisa nem acreditar em Deus. Quando Cristo nos ensina a amar a Deus acima de todas as coisas não ensina bajulação, mas ensina um caminho. O amor a Deus acima de todas as coisas não é a bajulação a Deus, mas o caminho para se alcançar a evolução espiritual.

Senhores “professores da lei”, a única coisa que o espírito deve fazer é amar. Amar a todos, não a quem ele acha que está certo, aquele que cumpre o que vocês querem. Amar a todos indistintamente: aqueles que seguem a sua lei, ou aqueles que não seguem a sua lei. Como disse o Cristo, abraçar o amigo é fácil eu quero ver cumprimentar o inimigo.

“Qualquer um pode agir como quiser contra os meus filhos que Eu não estou nem aí”. Essa seria a posição do Deus que imaginamos: Fonte Sublime do Amor?

Hipócrita é você que quando não compreende que o seu desejo não foi atendido, que a sua lei não foi cumprida, por outro ser humano, mas por Deus diretamente. E quando você briga e grita com o filho de Deus, acusando-o de ter lhe ferido, magoado ou de não ter feito “certo”, está acusando o próprio Deus, que afirma amar.

Hipócrita é o ser humano, que acha que é independente de Deus, que acha que o Senhor Supremo do universo criou tudo e não pode agir previamente em momento algum. Para os “professores da lei” Deus tem que se submeter aos seus caprichos, às suas vontades. É isso mesmo: para a humanidade Deus tem que se submeter aos caprichos dos seres humanos.

“Mais vale um ateu do que um crente hipócrita”. Frase do apóstolo Paulo.

Espiritualismo ecumênico universal

Aldo Pereira

“amam a árvore, odeiam seu fruto”

Por Aldo Pereira há 2 semanas

Quando um conhecimento é transmitido pelos enviados de Deus, deve objetivar sempre a paz espiritual, a felicidade universal, a prosperidade espiritual e o conforto da elevação espiritual. Para que se consiga isso é necessário que haja uma aspiração espiritual e não material. Aquele que realmente deseja a elevação espiritual deve compreender que esta vida é apenas uma ilusão e que as coisas materiais estão aqui para serem compreendidas pela sua essência.

Por isto muitas vezes o ensinamento (ato decorrente do conhecimento) tem que trazer renúncias a valores materiais. Só com a renúncia a estas coisas o espírito pode compreender a essência das coisas que acontecem e reagir dentro das leis de Deus. Para alcançar o conhecimento trazido por Jesus e pelos outros enviados é necessário que o espírito renuncie ao “eu”, ou seja, ao ser humano. É preciso que sacrifique o seu “querer” em prol do “querer” coletivo (de Deus).

Aqueles que vivem dentro dos preceitos de uma determinada religião, normalmente o fazem porque acreditam que só eles estão certos. Ao agirem dessa maneira, estão contrariando o ensinamento de todas as religiões que afirmam que todos são iguais e o que fazem é amar o conhecimento, mas rejeitar o ensinamento.

Um conhecimento não pode ser aplicado apenas onde o ser humano acha conveniente, mas tem que regular todas as coisas do universo. Todos os enviados de Deus trouxeram verdades universais e para que um ensinamento seja uma verdade ele precisa ter duas características: ser universal e eterno. Por universal temos que entender que se trata de uma verdade que se aplica a todas as pessoas e coisas. Portanto, se todos são iguais, não pode existir religião “certa” ou “errada”. Para se amar uma religião devemos, necessariamente, ter a consciência de que as pessoas podem ter qualquer religião, a que mais se adapte a elas, sem críticas aos que professam outras doutrinas. Amar o ensinamento é ter um ato condizente com ele em tudo. As verdades universais também têm que ser eternas, ou seja, nunca se alteram. Quando qualquer pessoa é acusada, o espírito se transforma em “ser humano”, aquele que “ama a árvore, mas rejeita o seu fruto”. Quando gostamos de uma árvore devemos saborear o seu fruto com prazer, ou seja, quando amamos o conhecimento transmitido pelos enviados de Deus, é necessário abrirmos mão do “querer” e do “achar” para conseguir colocar esse ensinamento em prática!

Espiritualismo ecumênico universal