Espiritualismo

Tudo é amor

Por Espiritualismo há 5 dias

Dr. Brian Weiss

 

  

Tudo é amor ... tudo é amor. Com o amor vem a compreensão e com ela a paciência. E então o tempo para. E tudo é agora.

O amor é a resposta suprema. O amor não é uma abstração e sim energia verdadeira, ou uma gama de energias que você pode “criar” e manter em seu ser. Simplesmente aja com amor. Você começará a tocar Deus dentro de si mesmo. Sinta-se amoroso. Dê expressão ao seu amor.

O amor dissolve o medo. Não se pode ter medo quando se sente amor. Uma vez que tudo é energia e o amor abrange todas as energias, tudo é amor. Este é um forte indício da natureza de Deus.

A pessoa que tem amor e é isenta de medos, é capaz de perdoar. É capaz de perdoar aos outros e a si mesma. Passa a se ver na perspectiva correta. Culpa e rancor são reflexos do mesmo medo. O sentimento de culpa é um rancor mais sutil dirigido para dentro. O perdão dissolve a culpa e o rancor, que são emoções desnecessárias e danosas. Perdoe. Perdoar é um ato de amor.

O orgulho pode ser um empecilho para o perdão. O orgulho pe uma das manifestações do ego. O ego é uma personalidade transitória e falsa. Você não é o seu corpo. Não é o seu intelecto. Não é o seu ego. É maior do que tudo isso. Você precisa do ego para sobreviver no mundo tridimensional, mas precisa somente daquela parte do ego que processa informações. O resto – orgulho, arrogância, defensividade, medo – é mais do que inútil. O resto do ego nos separa da sabedoria, da alegria e de Deus. Você deve transcender o seu ego e descobrir o seu verdadeiro ser. O verdadeiro ser é a parte permanente, a parte mais profunda de você. É sábia, amorosa, segura e cheia de alegria.

O intelecto é importante no mundo tridimensional, mas a intuição é mais importante.

Você troca a realidade por ilusão. A realidade é o reconhecimento de sua imortalidade, divindade e eternidade. A ilusão é o seu mundo tridimensional e transitório. Essa troca lhe é prejudicial. Você deseja a ilusão da segurança em lugar da segurança da sabedoria e do amor. Deseja ser aceito quando, na realidade, jamais pode ser rejeitado. O ego cria ilusão e encobre a verdade. É preciso dissolver o ego para poder ver a verdade.

Com o amor e a compreensão vem a perspectiva da paciência infinita. Por que a sua presas? Afinal, o tempo não existe, apenas lhe parece existir. Quando você não se apercebe do presente, quando está absorvido no passado ou preocupado com o futuro, traz para si mesmo grande dor e sofrimento. O tempo também é uma ilusão. Mesmo no mundo tridimensional, o futuro é apenas um sistema de probabilidades. Por que preocupar-se tanto?

A terapia do ser é possível. A compreensão é terapia. O amor é a suprema terapia. Terapeutas, professores, gurus, todos eles podem ajudar, mas só por tempo limitado. A direção é para dentro do ser e, mais cedo ou mais tarde, o caminho interior tem de ser trilhado em solidão, muito embora na realidade nunca estejamos sós.

Meça o tempo, se tem de medi-lo, em termos de lições aprendidas, não em minutos, horas ou anos. Você pode curar-se em cinco minutos se chegar ao conhecimento adequado. Ou em cinqüenta anos. É tudo a mesma coisa.

O passado deve ser lembrado e depois esquecido. Deixe que ele se vá. Isso se aplica a traumas de infância e traumas de vidas passadas. Mas também se aplica a atitudes, falsas noções, sistemas de crenças que nos são impostos, a todos os velhos pensamentos. Na verdade, a todos os pensamentos. Como é possível termos uma visão nova e clara com todos esses pensamentos? E se tivéssemos de aprender algo novo a partir de uma nova perspectiva?

Os pensamentos criam ilusões de separação e diferença. O ego perpetua essa ilusão e essa ilusão cria medo, ansiedade e enorme sofrimento. Por sua vez, o medo, a ansiedade e o sofrimento criam cólera e violência. Como pode haver paz em um mundo no qual essas emoções caóticas predominam? Simplesmente saia desse labirinto. Volte à origem do problema. Não volte a antigos pensamentos. Pare de pensar. Em vez disso, use o seu saber intuitivo para sentir amor novamente. Medite. Veja que tudo é interligado e interdependente. Veja a unidade, não as diferenças. Veja o seu verdadeiro ser. Veja Deus.

A meditação e a visualização o ajudarão a não pensar tanto e a iniciar a sua viagem de volta. Ficará curado. Começará a usar a mente que não utilizava. Verá. Compreenderá. Irá tornar-se mais sábio. E então haverá paz.

Você tem um relacionamento consigo mesmo, bem como com outras pessoas. E já viveu em muitos corpos e em muitas épocas. Portanto, pergunte-se por que isso é tão assustador. Por que receia assumir riscos razoáveis? Receia por sua reputação, tem medo do que os outros possam pensar? Esses medos lhe foram infundidos na infância ou mesmo antes.

Faça a si mesmo as seguintes perguntas: “o que tenho a perder? O que pode me acontecer de pior? Devo contentar-me em viver o resto de minha vida desta maneira? Se a morte é uma realidade inevitável, o que há de tão arriscado nisso?”

Em seu crescimento não receie provocar a ira de outras pessoas. A ira não passa de uma manifestação da insegurança dessas pessoas. Temer essa ira pode retardar o seu desenvolvimento. A ira seria meramente estúpida se não causasse tanto sofrimento. Dissolva a sua própria ira em amor e perdão.

Não deixe que a depressão ou a ansiedade tolha o seu crescimento. Sentir-se deprimido é perder a perspectiva, esquecer e aceitar tudo como natural. Aperfeiçoe o seu enfoque. Restabeleça os seus valores. Lembre-se de que há coisas que não devem ser aceitas como inevitáveis. Mude a sua perspectiva e lembre-se do que é importante e do que importa menos. Saia da rotina. Lembre-se de ter esperança.

Ficar ansioso é perder-se no ego. É perder de vista as nossas fronteiras. Há uma vaga lembrança de perda do amor, de orgulho ferido, de perda de paciência e de paz. Lembre-se: você nunca está sozinho.

Nunca perca a coragem de assumir riscos. Você é imortal. Ninguém pode feri-lo.

Espiritualismo

Influência do bom e do mal

Por Espiritualismo há 3 semanas

Participante: muitas informações estão surgindo sobre acontecimentos passados onde existem bons e maus espíritos influenciaram na trajetória da humanidade. Essas revelações partem da antropologia, arqueologia, canalizações de extraterrestres e psicografias. Essas canalizações são visões dualistas, inclusive na separação do joio e do trigo. Como compreender essas dualidades de bons e maus, vítimas e algozes, inocentes e condenados num universo que nada existe senão o bem?

Como entender o dualismo bem e mal sabendo que tudo parte do bem? Sabendo que o mal é para o bem. Deixe-me tentar lhe explicar isso. Essa explicação é muito importante porque ela baseia o primeiro trabalho a ser realizado no mundo de regeneração: entender que não existe bem ou mal, mas que existem coisas que são classificadas de um ou de outro modo. Mais: que essas divisão surge a partir das esperanças humanas, da perspectiva de visão da vida humana.

Sim, existem informações que falam da existência do bem e do mal e eu não posso afirmar que não. Agora, a partir do momento em que se ultrapassa o lado humano e se aprende o verdadeiro relacionamento entre o ser encarnado e Deus, elimina-se a ideia da existência do bem e do mal. 

O problema não está na informação de que existe bem e mal, mas o fato de que vocês não sabem se relacionar com Deus. É quando o ser não se relaciona com o Pai dentro da realidade universal que passa a existir o bem e o mal. O que estou afirmando vale para todos os seres universais, encarnados ou não, mas ainda humanizados. 

Portanto, definindo, o adjetivo bom e mal que se aplica às coisas nada mais é do que uma visão humana à respeito da ação divina. Isso vale para qualquer coisa que você adjetive desse jeito: espíritos trevosos, força do mal e inclusive para aqueles que são classificados como do bem e que querem combater o mal. 

Em O Livro dos Espíritos é dito bem claramente: é Deus quem dá o obsessor aos encarnados como prova. Por isso, tudo o que seja classificado como elemento do mal nada mais é do instrumento da provação do espíritos. Esses seres só se transformam em mal porque vocês estão presos aos anseios humanos. 

Aliás, não só em maus, mas também em forças do bem, pois nem estas existem. O que há no Universo é a Perfeição.

Espiritualismo

Preparar-se para a vida ou para a morte?

Por Espiritualismo há 3 semanas

Participante: devemos nos preparar para a vida ou para a morte?

Você só tem a vida para viver. A morte é o fim, para você ser humano. Por isso de nada adianta se preparar para a morte.

Na hora que a morte chegar, você, o ser humano, terá acabado, terá chegado ao fim. Por isso, o importante é se preparar para a vida. Mas, o que é se preparar para a vida? É compreender que a vida vive ela mesma e que você não tem ingerência sobre ela.

Se preparar para a vida é compreender que é necessário assistir a vida como ela está no momento presente sem tentar interferir nela e sem esperar nada dela, pois a vida não está aqui para lhe satisfazer. Se ela existisse para satisfazer aos seres humanos, todos seriam satisfeitos. Só que a prática mostra que isso é impossível, pois para que um sinta-se satisfeito é necessário que outro não se sinta da mesma forma. 

Respondendo, então, a sua questão, lhe digo: prepare-se para a vida. Como? Aprendendo a assisti-la...

Espiritualismo

Crianças

Por Espiritualismo há 4 semanas

Que tal começar ensinando as crianças a viverem o que lhes acontece com felicidade ao invés de ensinarmos a elas a dependerem de alcançar objetivos para poder ser feliz? 

Que tal começarmos a ensinar nossas crianças a conviverem com todos em paz ao invés de incitá-las a serem melhores do que outras crianças? 

Que tal começarmos a ensinar nossas crianças a respeitarem os outros ao invés de ensiná-las que devem ser melhores e ter mais coisas que os outros?

 Acho que este é um bom começo

Espiritualismo

Nem a morte é certa

Por Espiritualismo há 4 semanas

Participante: só tenho certeza de uma coisa: a morte é certa.

Será que realmente todos vão morrer? Acho que não.

Sobre isso, a primeira coisa que tenho a lhe dizer é que você não morrerá, se não se preparar para morrer um dia. A morte não ocorrerá fatalmente, mas vira apenas para aqueles que se preparam para ela.

Participante: ou outros desencarnam, é isso? 

Nem desencarnar ...

O que é desencarnar? 

Participante: é sair deste plano e ir para um mais sutil.

Eu lhe digo uma coisa: há mais espíritos que você chama de desencarnado neste plano do que no outro. 

Participante: espíritos vivendo o personagem que foram na última encarnação? 

Sim. 

Falo isso porque desencarnar não é sair da carne, mas sair deste plano mental. Como esses espíritos ainda estão ligados ao mesmo mental que tinham quando vestiam uma carne, neste momento estão sem ela, mas continuam ligados a este mundo. Por isso digo que eles não morreram.

Portanto, nem morrer é certo.

Participante: eles continuam achando que são o José, o João, a Maria da última vida. 

Isso. Continuam morando no mesmo lugar, fazendo as mesmas coisas que faziam quando estavam ligados à carne, mas não estão. 

Portanto, nem esse futuro você deve viver como certo. A morte é apenas uma possibilidade que ocorre para quem se prepara para ela. Quem se liberta da personalidade humana em vida, pode morrer, desencarnar, mas quem não se liberta continua vivendo a mesma realidade que tinha quando ligado à carne, só que agora sem ela.   

Por isso afirmo novamente: viva apenas o presente e deixe a vida ir passando por você.

Espiritualismo

É preciso se amar ...

Por Espiritualismo há 4 semanas

No mundo humano existe um teste que serve para indicar qual a carreira profissional que é mais indicada para o ser. Chama-se teste de aptidão, o teste vocacional. Se não sabe o que seguir, porque não o faz? Acho que isso poderia lhe ajudar, não?

Participante: eu já fiz.

Qual foi o resultado? Deu que você possui inclinação para não ser nada? 

Participante: na verdade o resultado apontou alguns campos que devia me desenvolver.

Porque não seguiu esse resultado? Se há um teste feito pela ciência humana, que vocês dizem confiar, porque não seguiu o resultado? Porque não era para seguir, porque era para viver a desorientação que está vivendo hoje.

Existe um detalhe que aquele que quer ser feliz precisa fazer: combater a lógica humana. Você diz que acredita na ciência e por isso fez um teste de aptidão. Como resultado, ele apontou determinados caminhos que não seguiu e por isso até hoje nada fez. 

Porque será que isso aconteceu? Será que você é burro e não sabe que um teste vocacional serve para lhe mostrar caminhos a seguir? Será que é um idiota, já que mesmo sentindo-se mal por nada fazer não tenta seguir o que o teste lhe indica? Claro que não. 

Você se considera uma pessoa inteligente, uma pessoa que compreende a vida. Porque, então, ainda não se encontrou? A única resposta possível é: porque não era para se encontrar. 

É a partir desse raciocínio que acabei de desenvolver que surge o ensinamento: é preciso aceitar-se do jeito que é, já que o que vive é inevitável e imutável. Isso vale para todos os acontecimentos da vida. 

Quem não se aceita como é, não vive nada diferente do que vivencia; só que vive a vida com sofrimento. Porque? Porque nunca aceitará quando se transformar em outra coisa. 

O problema não é aceitar que não faz nada, mas não se aceitar do jeito que é. Quem não se aceita em um aspecto, dificilmente se aceitará em outros. Estará sempre atacando a si mesmo, vivendo contrariado com qualquer coisa que seja.

Quem não se aceita como é e faz alguma coisa, não será feliz com aquilo que fizer. Terá sempre reclamações daquilo que se tornou. 

A não aceitação de si mesmo denota o desejo de ser algo diferente do que é. Aquele que vive apegado a ter que ser alguma coisa para sentir-se bem consigo mesmo, jamais se encontrará nessa vida. Isso porque a mente estará sempre gerando novos desejos de ser alguma coisa que não serão satisfeitos. Por isso o inconformismo com o que é existirá sempre.

Esse é o primeiro trabalho que precisa fazer: amar a si mesmo do jeito que é. Sendo um vagabundo que não serve para nada, louve a Deus por causa disso e não tenha reclamação alguma de si mesmo. Além disso, sinta-se sempre como o maior e melhor vagabundo que não serve para nada deste mundo. Esse é o primeiro ponto que preciso abordar a partir da sua pergunta.

Não importa quem você é ou o que faça, se não se amar como é, jamais será feliz com quem é ou faz. Além disso, jamais se amará, pois nunca se sentirá feliz com o que é. 

Além do mais, aquele que não se ama do jeito que é, fazendo o que fizer, não vive. Isso porque só existe o presente para se viver. Quem reclama do que foi e do que fez está no passado; quem precisa ser alguma coisa para se amar, vive no futuro. Portanto, não viveu o presente. 

Quem não vive o presente não consegue agir, pois só ele existe para se fazer alguma coisa. Portanto, precisa se amar agora e para isso é preciso aceitar do jeito que é e fazer o que faz. 

Participante: ah, mas os outros me cobram que preciso ser e fazer determinadas coisas.

Isso é problema dos outros. Eles não estão aqui para lhe amar. Mais: o amor dos outros não vale nada para você. O único que realmente importa é aquele que nutre por si mesmo. 

Este é o primeiro ponto que precisa desenvolver: o amor por si mesmo. Para isso é preciso aceitar-se do jeito que é.

Lembra-se quantas vezes você me disse que não arrumava trabalho e eu lhe dizia que se isso acontecia era para ficar em casa quietinho? Essa minha resposta sempre foi fundamentada na necessidade do trabalho de amar a si mesmo que tem que fazer. 

Portanto, ame-se do jeito que é. Não importa se faz isso ou aquilo ou se deixa de fazer alguma coisa. Para amar-se dessa forma é preciso saber que não precisa ser, estar ou fazer alguma coisa. Você já é tudo o que pode ser, já é o que tem que ser. 

Só que esse pensamento não lhe leva a não mudar-se, a passar a agir de forma diferente. Isso pode acontecer. Só que se ocorrer, já não fará mais por ter que fazer, por obrigação ou para ser algo, pois já será tudo que pode ser. 

Quando se amar incondicionalmente, não importa o que faça, sempre se amará em qualquer estágio que esteja ou em qualquer coisa que for.

Espiritualismo

Espíritos negativos

Por Espiritualismo há 1 mês

Continuando nosso estudo, vamos falar agora dos espíritos chamados negativos, ou do mal. São espíritos que habitam o plano inferior, o plano chamado umbral ou inferno, o plano negativo, o nono.

Participante: nós estamos no oitavo?

Isso.

Estes espíritos também trabalham sob a influência de seres superiores como já vimos. Além disso, eles também influenciam os que estão encarnados. O que estou dizendo é que os seres do sétimo plano, o primeiro fora da carne, influenciam os do oitavo, umbral, para que eles exerçam uma influência sobre os que estão no sétimo, os encarnados.

Na verdade, os do sétimo plano influenciam os guerreiros do mal do nono plano, mas que isso também faz parte da obra geral. Ou seja, os influenciam de acordo com a orientação que veio de Deus. Sendo assim, o que chamam de obsessão nada mais é do um espírito seguindo uma influência que recebeu.

Participante: então, esse negócio chamado de desobsessão só vai haver se Deus quiser.

A chamada desobsessão é a positivação de energias. P ser que passa por uma desobsessão recebe uma carga de energias positivas para auxiliá-lo no seu processo de reforma. Depois disso esse ser é entregue novamente ao seu livre arbítrio de escolher amor universalizado ou egoísta.

Se ele voltar a não escolher o amor universal, novamente poderá ser alvo de um obsessor.

Participante: esse espírito que chamamos de obsessor é também um espírito negativado e é usado para isso como uma prova ou expiação?

Sim. Ele exercerá essa função no universo até o dia em que se cansar daquela energia que provoca mal estar. Se começar a buscar o amor, a compaixão, a igualdade e a alegria, poderá, então, exercer novas funções no universo.

Quando um ser universal começa a trabalhar com o amor, acontece o que vocês chamam de arrependimento. Nesse caso, o trabalhador do nono plano é novamente conduzido ao sétimo onde será energizado novamente. A partir daí vai estudar, voltar para a carne. Quando nascer uma mãe lhe ensinará que ele é um ser humano e que precisa buscar o bem material. Usando, então, do livre arbítrio esse ser pode optar pelo amor universal ou não. Se sua opção for pelo individual, começa a juntar energias negativas de novo, sai da carne e volta para o umbral até alcançar o arrependimento.

Espiritualismo

O espírito e a energia negativa

Por Espiritualismo há 1 mês

Participante: porque tantos milhões de espíritos no planeta Terra agem sem amor, esta energia negativa, que vai gerar mais energia negativa, para chegar ao ponto que ficou? Como isso começou? Como apareceram tantos espíritos com tanta energia negativa que isso foi se tornando uma bola de neve, foi aumentando, foi crescendo, para o planeta Terra chegar a esta situação que chegou?

Começou quando os espíritos desafiaram Deus.

Participante: tantos assim, milhões de espíritos desafiaram Deus ao mesmo tempo?

Não, quando o espírito nasce é puro e sem conhecimento. O puro é sem energia negativa. Durante toda a fase do conhecimento material, a evolução material, como chamamos, ele só se alimenta de energias positivas. Quando começa a estudar os processos de raciocínio, moral, e começa a usar o instinto, que é uma etapa do raciocínio, já começa a usar energias negativas. Quando evolui para encarnar como ser humano essa emissão cada vez mais vai sendo realizada. Isso acontece até quando começa a se regenerar.

O que é regenerar-se? O que no seu dicionário é dito quando uma pessoa se regenera? Muda de ruim para boa. Quando isso acontece, o que acabou?

Participante: a energia negativa?

Perfeito.

É por isso que o próximo mundo chama-se regeneração. Trata-se de mudar a energia: de negativa para positiva. Isso não quer dizer que vá se extinguir a energia negativa, mas que vai se deixar de colocá-la em prática

Participante: como tem tantos espíritos com energia negativa?

Como conseguiram? Cada vez que um ser nasce, começa uma encarnação, a própria mãe e o pai jogam, quando vivem com o amor humano.

Participante: onde estavam esses milhões de espíritos antes?

Os que habitam hoje na Terra, muitos em provas e expiações, vieram deste mesmo planeta na geração passada. Foram espíritos que foram reprovados

Participante: e os que vieram de Capela?

Nesta geração do planeta não há mais seres de Capela, a não ser trabalhando fora da carne.

Participante: em cada geração sempre começam o processo de evolução milhares de espíritos. Como estamos na sétima, é por isso que nessa geração existe tanta negatividade. É coisa que já vem das seis gerações anteriores?

Também, mas vai continuar havendo no planeta, porque o próximo mundo ainda não é o celestial. É um mundo onde as pessoas precisam se regenerar e para isso precisam ainda ter aquilo que têm que mudar.

Resumindo a questão das energias negativas, apesar de todo aviso de se premiar o bem celeste, enquanto houver seres que prefiram o material, a energia negativa continuará existindo.

Espiritualismo

A intenção de Deus

Por Espiritualismo há 2 meses

Participante: Pai Joaquim, não em forma de crítica mas de constatação. Fiquei sabendo que existe uma religião que prega que quando seus membros têm sucesso material é que Deus está lhes dando esse sucesso pelo merecimento, ou seja, eles atingiram um ponto tal de evolução que estão merecendo o sucesso material. O que o senhor nos diz sobre isso?

Dois aspectos: Deus está dando por causa do merecimento. Sim, Deus está dando por causa do merecimento. Aliás, tudo que Deus dá é merecimento, ou seja, é a exata colheita do que foi plantado. Isto é perfeito. Mas, daí achar que o que está recebendo é resultado de um merecimento é positivo, aí já é outro detalhe. Na verdade é mais uma prova. Você vai na religião e lá consegue comprar um apartamento, uma casa; ótimo. Agora, se ficar orgulhoso disso, não passou na prova

Participante: ou se achar que você comprou, que não existe desígnio de Deus, aí ...

Isso. Mas, mesmo que saiba que foi Deus quem lhe deu se sair dizendo ‘olha como eu sou bom, ganhei um apartamento’ nada fez.

Além disso, como pode dizer que aquilo que aconteceu foi um bem? Quantos já compraram um casa e ela caiu matando os ocupantes? Na verdade, Deus lhe deu um caixão e não um apartamento. Você é que não viu que era um caixão.

Deus dá a cada um de acordo com sua obra. Isso é real. Agora, querer dar intenção no que Deus faz, dizer que Ele faz o bem, é viver uma grande ilusão. Desculpa, ninguém no Universo consegue, nem Jesus Cristo. Nem o Cristo consegue saber com que intenção Deus faz as coisas. Isso só o Senhor sabe.

Espiritualismo

A ÁRVORE DOS PROBLEMAS

Por Espiritualismo há 10 meses

Esta é uma história de um homem que contratou um carpinteiro para ajudar a arrumar algumas coisas na sua fazenda.

O primeiro dia do carpinteiro foi bem difícil. O pneu da seu carro furou. A serra elétrica quebrou. Cortou o dedo. E ao final do dia, o seu carro não funcionou. O homem que contratou o carpinteiro ofereceu uma carona para casa. Durante o caminho, o carpinteiro não falou nada.

Quando chegaram a sua casa, o carpinteiro convidou o homem para entrar e conhecer a sua família. Quando os dois homens estavam se encaminhando para a porta da frente
o carpinteiro parou junto a uma pequena árvore e gentilmente tocou as pontas dos galhos com as duas mãos.

Depois de abrir a porta da sua casa, o carpinteiro transformou-se. Os traços tensos do seu rosto transformaram-se em um grande sorriso, e ele abraçou os seus filhos e beijou a sua esposa.
Um pouco mais tarde, o carpinteiro acompanhou a sua visita até o carro. Assim que eles passaram pela árvore, o homem perguntou:

- Porque você tocou na planta antes de entrar em casa?

- Ah! esta é a minha Arvore dos Problemas. Eu sei que não posso evitar ter problemas no meu trabalho, mas estes problemas não devem chegar até os meus filhos e minha esposa.
Então, toda noite, eu deixo os meus problemas nesta Arvore quando chego em casa, e os pego no dia seguinte.