Renato Mendes

Único Poder

Por Renato Mendes há 11 meses

Tudo é regido por um único poder, e este poder não é meu nem seu.

É ilusão pensar que podemos alguma coisa, que nosso poder é maior ou menor que outro poder, que fazemos algo a alguém porque temos poder maior do que o outro ou vice-versa.

Não há dois poderes, há apenas um poder. É preciso conscientizar-se profundamente disto.

E este único poder não está à nossa disposição para usarmos como nos convém, passamos muito tempo estudando e fazendo qualquer tipo de práticas para termos acesso a este poder e faze-lo nos servir. Não, isto não funciona.

Por creditarmos poder em nós mesmos vivenciamos o sofrimento, sofremos quando queremos que as coisas sejam diferentes e também sofremos quando queremos que as coisas perpetuem, não temos o poder de realizar nenhuma destas coisas, mas ainda assim, por ignorância, insistimos em acreditar que sim.

No entanto existe uma maneira de escaparmos ao sofrimento, esta maneira é nos colocar à disposição deste único poder, resistir a ele é fazer uso do egoísmo. A paz e a felicidade são o que buscamos, mas nunca encontramos pois buscamos de forma incorreta e isto gera mais infelicidade. Paz e felicidade existem quando abandonamos nossas ilusões de poder e conscientemente nos abrimos a este único poder, ele então conduzirá nossas vidas com paz e felicidade, mas a paz e felicidade dele e não deste mundo que julgamos erroneamente serem paz e felicidade quando na verdade são guerra e prazer.

Entregue suas ilusões, renda-se, abra-se a isto, e veja a sua vida sendo conduzida sem as suas opiniões, desejos, necessidades e obrigações, permita-se experimentar esta realidade. O ego pode investir contra isto dizendo ser fraqueza, que será um salto no escuro e sem ele, o ego, você irá se machucar, mas é exatamente o contrário, o ego é fraqueza e usa de chantagens e ameaças para justamente esconder esta fraqueza, como disse só há um único poder, e ele não é do ego.

Figura

Não construa, não cultive, não crie, não, você não pode nada disto, perceba claramente, não tem participação sua desta maneira, a sua participação é entregar-se, entrega total, é um despojar, desnudar-se, render-se.

Você não pode fazer com o que vento entre pela janela, você pode apenas abrir a janela e o vento entrará por si mesmo.
Renato Mendes

A palavra não é a coisa

Por Renato Mendes há 1 ano

A palavra é elemento importante na comunicação, usamos a palavra e dela retiramos o sentido que está em nossa memória.

Mas é essencial percebermos a diferença entra a palavra e a coisa em si.

Usemos como exemplo a palavra sofrimento.

Nos lembramos de alguns dos nossos sofrimentos, e quando lemos e ouvimos a respeito do sofrimento e como "escapar" dele logo o identificamos com o que está armazenado em nossas memórias e tornamo-nos sábios sobre sofrer, mas quando o sofrimento nos aflige no agora não percebemos ou não sabemos como lidar.

Nos tornamos experts nisto e em outros assuntos que tratam da felicidade mas quando precisamos identificar e colocar em prática no nosso dia a dia ficamos completamente perdidos, mas somos capazes de ensinar e expor nosso conhecimento com perfeição.

Figura

Na teoria a prática é outra.

É preciso conhecer o sofrimento, a alegria, a tristeza, a felicidade no momento em que estão presentes. E conhecer não é nomear, adjetivar, armazenar, explicar, nada disto, conhecer é vivenciar aquilo pura e simplesmente.

Note a diferença entre conhecer e reconhecer, reconhecer é trazer da memória, e quando isto acontece estamos lidando com o passado, com a palavra, mas a palavra não é a coisa, a palavra é morta, logo, de nada adianta.

Experimente a vida consciente da diferença de o que acontece com o que pensamos sobre o que acontece, o que pensamos é a palavra armazenada, ela ajuda na comunicação mas não em lidar com o que está presente. Já reparou que frequentemente não vivemos o presente e sim nossas ideias sobre o presente?

É preciso conscientizar-se do sofrimento, e para isto é preciso vive-lo no momento em que ele se apresente sem escapar para o passado utilizando-se da palavra que o representa ou projetar um futuro sem sofrimento servindo-se novamente da palavra.

Porém, não diga a si mesmo que irá aguardar o próximo momento em que sofrer para conscientizar-se, porque a palavra virá junto e é possível que troque novamente o presente pela palavra. 

Conscientize-se da vida agora, o que acontece agora, como reage agora, esteja alerta constantemente e quando o sofrimento vier experimente-o, sim, experimente, se fugir ou negar ou mesmo se quiser resolver novamente perdeu a oportunidade, aproveite cada oportunidade para experimentar a vida com tudo o que ela carrega, se a palavra vier junto, note a diferença entra a coisa viva e a coisa morta.

Viver a morte é loucura, então viva a vida, viva o presente como ele se apresenta, e não viva a morte de uma ideia a respeito da vida, o que no final das contas são meramente palavras.
Renato Mendes

Comece pelo começo

Por Renato Mendes há 1 ano

Já percebeu que vivemos em uma era imediatista? Queremos tudo agora, esperar é uma tortura.

Este imediatismo nos atinge inclusive em assuntos de espiritualidade.

Nós devoramos o assunto e queremos um efeito imediato. Lemos que Atman é Brahman e queremos experimentar a Unidade agora, seja lá o que isto queira dizer.

Mas vamos com calma, existem sim testemunhos de pessoas que "despertaram" de modo repentino, mas se isto não ocorreu com você não fique parado esperando, pois da espera você receberá apenas a espera.

Figura

Quando vemos uma criança começando a andar é interessante notar a euforia dela em chegar logo ao objetivo, e assim que tenta correr ela cai. Aí ela se levanta e percebendo que não consegue chegar correndo, ela se concentra no primeiro passo, e com calma tenta dar o segundo e o terceiro até chegar.

Pois bem, assim como a criança, concentre-se no primeiro passo, e aí estará pronto para dar o segundo, mas não tente alcançar a chegada se nem começou.

E falando em caminhada, por onde sempre começamos? Começamos de onde estamos, não é na linha de partida, porque mesmo para chegar à linha de partida devemos caminhar a partir de onde estamos agora.

Por onde começamos então se o assunto é espiritualidade? Comece pelo mais perto, comece por você, e onde está agora e o que você é? Observe-se para descobrir. Observe-se aí mesmo onde está agora, observar é o começo e para observar não é necessário ir a lugar algum ou fazer coisa alguma, apenas observar.

Observe-se. Observe-se fazendo qualquer coisa ou não fazendo nada. Observe o seu mundo interno.

Não faça da observação um ritual, mas se praticar um ritual, observe-se praticando. Não espere sentar na posição de lótus ou fazer mantras e mudras para observar-se, mas ao fazer tudo isto observe-se internamente enquanto faz. Observe-se indo meditar, observe-se meditando, observe-se após a meditação.

Observar não cansa, observar é apenas observar e mais nada, se vier o cansaço observe isto.

Figura

Observar-se é dar o primeiro passo, e se fizer apenas isto já é melhor do que não ter feito nada.

É melhor sair desta vida com ao menos um passo dado do que não ter dado passo algum.

Observe-se e então a caminhada terá dado início.
Renato Mendes

Por que sofremos?

Por Renato Mendes há 1 ano

Por que sofremos?

Das duas uma, ou não há escolha ou há escolha.

Parece óbvio que existe a possibilidade de escolha, mas apenas parece.

Desde sempre viemos sofrendo quando o mundo exigia isto de nós.

Tiramos alguma vantagem disto, é verdade, ganhamos a atenção dos outros e a sua piedade, ou de nós mesmo, auto-piedade.

Mas esta não é uma troca justa, nenhum prazer anula ou supera o sofrimento, pelo contrário, gera mais sofrimento.

E sempre nos dizem que devemos não sofrer, e lá vamos nós tentando não sofrer já estando em sofrimento.

Mas se é óbvio que há escolha por que sempre escolhemos sofrer?

Da próxima vez faça diferente, coloque a possibilidade de escolha em prova utilizando a si mesmo como campo.

Não tente não sofrer, ao invés disto investigue a possibilidade de escolha.

Figura

Como investigamos a possibilidade de escolha? Escolhendo.

Mas caso sempre escolha o sofrimento isto não prova que existe a possibilidade de escolha.

Ao menos uma vez confirme a si mesmo que é possível escolher o não sofrer, o mundo não lhe mostra esta possibilidade, descubra por si mesmo.

Mas não é apenas dizer que existe esta possibilidade, é experimentar esta possibilidade.

E, caso descubra que sim, existe a possibilidade de escolha, a própria descoberta lhe trará algo novo.

Este algo será a confirmação de que existe a possibilidade de escolha sendo o resultado da escolha.

Descubra por si mesmo.
Renato Mendes

O que sou?

Por Renato Mendes há 1 ano

Eu não sou o que eu penso que sou.

Então o que sou?

Eu não sei!

Eu não sei o que sou.

Eu sei que não sou o que penso que sou.

Eu não sei o que sou.

Eu sei o que não sou.

Eu não sou o que penso que sou.
Renato Mendes

Quem está aí?

Por Renato Mendes há 1 ano

Um homem acabava de falecer e foi bater nos portões do paraíso.

Deus o recebeu perguntando: - Quem está aí?

O homem respondeu confiantemente: - Sou eu!

"Está lotado, volte outra hora" - respondeu Deus.

O homem não compreendendo saiu para meditar e refletir.

Após alguns anos ele retorna.

"Quem está aí?" - Pergunta Deus.

"Sou eu" - responde novamente o homem confiante que agora entraria.

"Está lotado, volte outra hora".

O homem ainda mais confuso saiu para novamente meditar e refletir.

Após muitos anos ele decide retornar.

"Quem está aí?" - Pergunta Deus.

Dessa vez sua resposta foi: "És Tu, Deus".

Os portões se abriram e uma voz ecoou:

"Entre, nunca houve outro senão Deus no paraíso".
Renato Mendes

Estar humano

Por Renato Mendes há 1 ano

Você não é um ser humano, você temporariamente é um estar humano.

E o que é estar humano? Estar humano é vivenciar tudo sob a ótica humana.

E o que é isto? Individualismo!

Figura

Individualismo é achar que há você e o outro e ambos terem poder. E que muitas vezes o seu poder é mais forte que o do outro e algumas vezes mais fraco.

Individualismo é achar que tem poder de escolha, poder de ação, poder de pensar, refletir, raciocinar, poder qualquer, poder até de alterar o ambiente, dar rumo à vida, prever, profetizar, esquecer e lembrar.

Mas que ironia, apesar de acreditar ter todos estes poderes não tem o poder de fazer o coração bater, o sangue correr, as células trabalharem, o estômago digerir e o intestino absorver. Não tem poder de fazer o cabelo mudar de cor, crescer, as unhas pararem de crescer, de fazer aquela dor parar, aquela doença acabar, de evitar a morte, de evitar o sono, de sonhar e de acordar.

Ou seja, tem poder sobre tudo menos sobre si mesmo. Que ironia.

E depois de tudo, estar humano é acreditar ter poder de estar certo, julgar e condenar.

Estar humano é a crença de que há você e o outro e ambos terem poder.
Renato Mendes

A sua vida

Por Renato Mendes há 1 ano

Se não tenho um espírito eu sou espírito.

Se sou espírito vivenciando uma experiência humana e não um ser humano vivenciando uma experiência espiritual.

Se não há mundo humano e mundo espiritual há apenas um mundo, que é espiritual.

Logo, espírito, experiências humanas são do mundo espiritual.

Viva a sua vida.
Renato Mendes

A outra margem

Por Renato Mendes há 1 ano

Já pensou que coisa louca, sonhamos ser o que não somos e neste sonho queremos voltar a ser o que nunca deixamos de ser.

Imagine que você vive em uma margem do rio e ouve dizer que você não pertence a esta margem, você não se lembra de um dia ter cruzado o rio mas com certeza precisa atravessa-lo, a outra margem é tão diferente desta margem em que você está, há tantas promessas de lá que devemos voltar para aquele lugar.

Mas este rio é intransponível, não é possível atravessa-lo, então o atravessamos em pensamento, e sonhamos viver naquela margem, e o tempo vai passando e nem nos lembramos de onde viemos, até que um dia alguém lhe diz que você não pertence a esta margem, você não se lembra de um dia ter cruzado o rio mas com certeza precisa atravessa-lo, a outra margem é tão diferente desta margem em que você está, há tantas promessas de lá que devemos voltar para aquele lugar.

Mas este rio é intransponível, não é possível atravessa-lo, então o atravessamos em pensamento, e sonhamos viver naquela margem, e o tempo vai passando e nem nos lembramos de onde viemos, até que um dia alguém lhe diz que você não pertence a esta margem, você não se lembra de um dia ter cruzado o rio mas com certeza precisa atravessa-lo, a outra margem é tão diferente desta margem em que você está, há tantas promessas de lá que devemos voltar para aquele lugar.

E lá vamos nós outra vez, sem saber que é outra vez. 

E outra vez e outra vez e outra vez...
Renato Mendes

Pra ser feliz

Por Renato Mendes há 1 ano

Pra ser feliz você pode fazer todos os pranayamas, sustentar-se em todas as posições, despertar a kundalini, passar dias meditando, ler todas as obras sagradas, cumprir todos os rituais, ingerir todas as plantas sagradas, fazer jejum, privar-se de tudo que lhe traga prazer, fazer todas as terapias, dançar em todas as danças sagradas, ouvir todos os mantras, realizar todos os mudras, fazer todas as orações, cumprir todos os votos de castidade, silêncio, etc, etc...

Ou apenas ser feliz.