Gileno de Sá Cardoso

NADA PODE ABALAR A ONIPOTÊNCIA DE DEUS

Por Gileno de Sá Cardoso há 1 ano

Basta não imaginar Deus como algo central e sim  como algo que está em todos os lugares, para tirá-lo da dualidade. Simples assim. Algo que é tudo e que é nada ao mesmo tempo, que é onisciente e onipotente além de onipresente e que é a causa primária de todas as coisas. O diabo foi representado pela serpente no paraíso que vivia atentando Eva a comer o fruto proibido do saber para assim compartilhar o conhecimento do qual só Deus era detentor. À cada reencarnação, a figura da serpente é substituída pelo ego, que nos impele a todo momento a interceder na vida, desafiando o poder de Deus e mais uma vez desobedecer ao Criador. De uma forma grosseira, podemos dizer que Lúcifer, o anjo rebelde e príncipe das trevas, e o nosso ego são discordantes quanto ao caminho traçado por eles, em relação ao de Deus, para encontrar a Unidade, ou seja ambos são discidentes de Deus. Não esqueçamos que ao passarmos a Ser o Agora e ingressarmos na Realidade Maior do Universo tudo se torna Uno. Tudo é Nada e Nada é Tudo.