Roosevelt Cardoso

QUE MUNDO É ESSE?

Por Roosevelt Cardoso há 1 ano

QUE MUNDO É ESSE?

      Por uma necessidade de auto consciência a mente cria um mundo no qual nos vemos de forma bastante real dentro dele e o que mantém essa ilusória manifestação é essa mesma crença em sua realidade. Existimos nesse mundo não com o propósito de mantê-lo, mas de perceber sua irrealidade. Diante da dor o ser humano só encontra uma alternativa, fugir, encontrar uma maneira de acabar com o sofrimento  e faz isso porque toma esse mundo como real.

      Toda essa irrealidade, dor, sofrimento  deixarão de existir não a partir do momento em que eu não sentir dor, mas à medida em que questiono, “quem sofre”, quem vai imergir e viver os pensamentos ou observá-los. A  crença no eu como sendo real, personificado  é quem cria esse mundo ilusório e aí a dor dói e o sofrimento machuca. Quem sou, eis a única questão.      

Renato Mendes

Apesar do mundo

Por Renato Mendes há 1 ano

Se quer transformar o mundo, transforme a si mesmo apesar do mundo.

Um mundo tão diferente deste atual, um mundinho todo meu, todo eu, todo igual, todos iguais, iguais a mim.

Ah como seria lindo este mundo perfeito, eu o idealizei, eu sei o que é certo e resolvi todos os problemas e não exclui ninguém, todos farão parte, eu pensei neles, o bem deles, e ficarei satisfeito com a satisfação deles, eles me serão gratos.

Eu tenho até um nome para este meu mundo, egocentrismo.

Mas a pergunta é, eu combinei com os outros sete bilhões de pessoas? Porque elas também devem ter uma ideia de mundo perfeito igual a elas e é nada provável que seja igual ao meu, apesar de elas também incluírem a mim em seus mundos. Mas nem preciso perguntar, é óbvio que elas vão concordar, afinal, eu pensei na satisfação delas.

Só que este mundo seria uma ditadura, ditadura do ego. Mas dane-se, é pelo bem do todo, todo eu.

Figura

Pode espernear, gritar, xingar, se debater a vontade. O mundo não existe para satisfazer o ego, daí deriva a sua contrariedade.

O mundo não pode ser o seu reino porque ele já é outra coisa, reflexo.

Para ilustrar, eu digo que o mundo externo é reflexo exato do mundo interno. Você não nasceu para o mundo é o mundo que nasce constantemente para você.

Dizem que pintamos o mundo com as nossas cores, quando estamos alegres pintamos o mundo com alegria, quando estamos tristes pintamos o mundo com tristeza, mas é muito mais que isto, a própria alegria e tristeza e o mundo e tudo o que ele contém, incluindo o ego, refletem em sua exata medida o mundo interno. Então o mundo não precisa ser outro para ser perfeito, ele já é perfeito, um espelho perfeito, mesmo que não gostemos do que está sendo refletido.

Figura

Quando não reconhecemos o nosso rosto perfeitamente refletido não mudamos o espelho, seria maluquice, nós trocamos os óculos e tudo muda, mas para isto é preciso antes de mais nada “enxergar” o espelho.

Se você quer transformar o mundo, transforme a si mesmo apesar do mundo, e ainda assim o mundo estará sempre igual, mas não igual aos devaneios do ego e sim sempre igualmente refletido.